Convenção Coletiva aprova aumento para trabalhadores de postos de gasolina

O piso salarial dos empregados dos postos de combustíveis, teve o valor alterado a partir do dia 1º de janeiro de 2020, com um reajuste de 4,31%. A categoria passa a receber o salário mensal de R$ 1.084,82. podendo ser compensados todos os aumentos, reajustes legais, antecipações, eventuais reposições salariais e  resíduos, concedidos de 1º de janeiro de 2020 em diante.

Embora o acordo coletivo não tenha alterado os demais percentuais relativos à adicionais, o Revendedor deve ficar atento à mudança do valor absoluto. Como o piso salarial aumentou, os percentuais calculados sobre esse valor também foram alterados.

Acessem link abaixo, para realizar o download da CCT 2020:

https://drive.google.com/file/d/1iANmtLwNipKXrX8o0dx5sTpPfo8T6dFr/view?usp=sharing

Faça sua inscrição para o XIV Encontro de Revendedores de Combustíveis Nordeste/Brasil

O Sindicato dos Postos Revendedores de Combustíveis do Estado do Piauí (SINDIPOSTOS/PI), convida à todos, para o XIV ENCONTRO DE REVENDEDORES DE COMBUSTÍVEIS – NORDESTE/BRASIL, promovido em parceria com a Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (FECOMBUSTÍVEIS). Dias 28 e 29 de novembro de 2019, com abertura oficial às 14h no dia 28.

FAÇA SUA INSCRIÇÃO CLICANDO AQUI   

 

 

O evento contará com a participação de palestrantes e profissionais de destaque nacional, de referência em nosso seguimento. Contará ainda com a presença de empresários, proprietários de postos de combustíveis de toda a Região Nordeste do país, diretores e gerentes de empresas ligadas ao setor, prestadores de serviços, autoridades e órgãos fiscalizadores.

Aumento no preço do combustível: a culpa não é dos postos

Vemos recentes aumentos no preço dos combustíveis e reclamações dos consumidores, mas precisamos deixar claro que a culpa dos altos preços não é dos postos.

O segmento sofre tanto com esta alta como toda a sociedade, uma vez que preços altos inibem o consumo e prejudicam toda a economia.

Em todo o Brasil os preços estão elevados, devido a uma soma de fatores: aumentos na carga de impostos (federais e estaduais), à nova política de preços da Petrobras e aos repasses das distribuidoras.

Os questionamentos sobre a alta dos preços devem ser dirigidos ao governo federal, Petrobras e distribuidoras.

Fonte: http://www.verdadesobreocombustivel.com.br/

Mais da metade do preço do combustível é imposto

O preço do combustível impacta diretamente no orçamento doméstico do brasileiro. Em um cenário de crise nacional, é importante esclarecer que mais da metade desse valor se refere aos impostos.

O setor de revenda/varejo é considerado um dos mais transparentes do mercado, pois existe ampla disponibilidade de dados aferidos por órgãos governamentais. Qualquer cidadão pode acessar os sites da ANP, do Conselho Nacional de Política Fazendária ou da Petrobras e pesquisar a composição do preço dos combustíveis, a carga tributária e o valor de compra e revenda por posto e por município brasileiro.

A nível nacional, até 53% do valor do produto é imposto. Apenas 13% do preço pago pelo consumidor num litro de gasolina fica no posto para custear funcionários, energia, água e estrutura física. Na prática, tendo como referência um preço mínimo de R$ 3,97, apenas R$ 0,35 fica para o posto para cada litro de gasolina vendido. No Piauí, o percentual que fica no posto é ainda menor, não passando dos 7%.

Desde o início de fevereiro deste ano, a Petrobras já aumentou em 27,46% o valor do combustível. O Sindicato dos Postos Revendedores de Combustíveis do Estado do Piauí (Sindipostos/PI) defende que o preço mais baixo dos combustíveis é melhor para o consumidor e para o empresário.

Procon notifica 23 postos de combustíveis de Natal por não informarem redução no preço do óleo diesel

O Instituto Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon Natal) notificou 23 postos de combustíveis da capital potiguar que não cumpriram a determinação do Ministério da Justiça para divulgar a redução nos preços do litro do óleo díesel fornecido aos clientes. A determinação aconteceu depois de o governo federal reduziu impostos para atender à exigência dos caminhoneiros, que fizeram uma paralisação nacional.

Segundo o Procon, um total de 60 postos foram visitados em Natal, sendo que 23 não estavam cumprindo. Uma portaria do Ministério da Justiça também determina que os Procons façam a exigência nos estabelecimento.

“Os Procons deverão exigir que os postos revendedores de combustíveis informem, de forma clara e ostensiva, por meio de cartaz, placa, faixa ou similar, o valor da redução do preço do litro do diesel para os consumidores finais, demonstrando nesse informativo o valor de revenda para o consumidor final no dia 21 de maio de 2018 e o valor do óleo diesel a partir do dia 1º de junho de 2018, sob pena de multa administrativa”, publicada na última quarta-feira (06) no DOU.

De acordo com o órgão, os postos notificados têm um prazo de 24 horas para se adequarem as normas estabelecidas pelo Governo Federal.

Fiscais são treinados para testar qualidade dos combustíveis em postos

Os fiscais do Procon estão recebendo treinamento para analisar, além dos preços dos combustíveis, a qualidade dos produtos vendidos nos postos do Tocantins. O treinamento segue até sexta-feira (15) e faz parte do acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis (ANP), firmado em abril deste ano.

No curso, os agentes aprendem a teoria e principalmente a parte prática que envolve o funcionamento dos tanques e das bombas, e ainda os testes para avaliar se o produto vendido está dentro das exigências.

“Teremos agora uma abrangência maior da fiscalização podendo atuar em nome da ANP. Verificar a documentação dos postos, certidões, documentos específicos de funcionamento, autuar, assim como interditar o local quando necessário. É mais uma forma de dar mais transparência das nossas ações em defesa do consumidor”, explicou o superintendente do Procon, Walter Nunes Viana Junior.

Segundo a ANP, a gasolina só pode ter entre 25% e 29% de etanol. Se a quantidade fugir desse percentual, o combustível se torna irregular. No caso do teste do álcool, o máximo permitido de água é de 7%. Ao todo, 29 fiscais do Procon de todo o estado participam do curso.

Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.